27 de abril de 2010

Olha aí, olha aí, freguesia


























Olha aí gente.
Me chamaram e eu vou lá com muito gosto. Esse samba que o pessoal do Inimigos do Batente organiza junto com Arthur Tírone (Favela), é das coisas que acredito. Acredito pela qualidade das pessoas envolvidas. Despretenciosas, amáveis, gentis, companheiras, inteligentes, bem informadas, gente da arquibancada, do botequim e exatamente por isso, das letras, da vida nos seus cantos mais pulsantes. Sempre falei muito com todos os companheiros e parceiros sobre a minha persistente preocupação com o passado. Não com o passado que conhecemos, mas com o passado que deixaremos construído. Essa turma aí está deixando e muito me honra ser mais um tijolo nessa parede.

Tiro chapéu pra quem faz as coisas com e por paixão.
Obrigado.


Abaixo, texto convite feito por Raílidia Carvalho:



Douglas Germano, Ciência do Samba
Amigos,
Muitas vezes na roda de samba dos Inimigos do Batente eu e o Fê comentamos que determinado samba é “o mais bonito do mundo”. Ao final da roda a lista dos mais bonitos do mundo é imensa.
O nosso camarada Maurinho de Jesus também é do clube dos que anota os mais bonitos do mundo. Ele sempre diz isso do samba “Lama”, de autoria do Douglas Germano. E está coberto de razão. Ô, môço, pra ter samba bom esse Germano!
Falo com conhecimento de causa porque cantei e canto algumas pérolas do repertório dele. Aliás, só coisa fina.
Douglas também é gente fina. É meu ídolo, que, à maneira de Wilson Moreira, traz uma simplicidade no trato que se revela de uma grandeza no jeito de contar e cantar o samba.
Uma ciência, queridos. Douglas conhece porque toca, canta, compõe, batuca, diz no pé.
Venham ao Anhanguera nesta sexta conhecer ou rever este craque. Amigo nosso e muito digno de um público como só nós sabemos que tem o nosso terreiro.
Um beijo,
Railidia

2 comentários:

Arthur Tirone disse...

Douglas, meu chapa, escreva aí: será a primeira das muitas vezes que irás ao Anhangüera. Já te falei: quem cai por lá, fica!

A gente é que está prosa com a tua presença, chefia. Vamos cantar, batucar e beber, que é assim que se faz.

Priscila Maria disse...

Douglas, gosto muito dos seus sambas todos, adorei conhecer seu blog (via Tirone), mas o que eu queria dizer mesmo é pra Railídia, porque eu morro de vontade de dizer pessoalmente, mas aí fico com vergonha, e a distância "internética" ajuda muito nesses casos! Posso? Espero que ela veja! Dê licença, sim?
Railídia, quando eu crescer quero cantar que nem você! Sua voz é de uma doçura, tem uma cadência tão gostosa de ouvir, que se o convidado vem e você não faz pelo menos o coro, eu fico triste! Na verdade, eu fico torcendo pro convidado demorar mais um pouquinho - com todo o respeito, Douglas!
Obrigada por compartilhar conosco esse dom tão bom de ouvir que você tem!
Um abraço,
Priscila Moreno.